terça-feira, 25 de outubro de 2016

POLÍTICA, CORRUPÇÃO E MORTE!


À pedido de meus seguidores e amigos, volto ao caso do assassinato de Celso Daniel, agora inspirado em um livro do jornalista Silvio Navarro, publicado na Revista Veja.

Ao longo de quatro anos, o jornalista Silvio Navarro analisou 20 mil páginas de processos e tentou construir um mosaico a partir das investigações da polícia, do Ministério Público (MP) sobre o crime que há quase 15 anos mexe com o imaginário popular e o mundo político.
Assim como outros fatos intrigantes que envolvem a morte do petista, o episódio é narrado em detalhes no livro “Celso Daniel — política, corrupção e morte no coração do PT”.

A obra narra as articulações da quadrilha que praticou o assassinato de Daniel, numa estradinha em Juquitiba, e rememora as mortes de outras seis pessoas ligadas ao caso. Dionísio, entre elas. Também são detalhadas informações sobre o esquema de corrupção na prefeitura de Santo André.

O jornalista defende a tese de que o PT usou a cidade como laboratório para o método ilegal de arrecadação de recursos que seria replicado em escala nacional, a partir de 2003. Daniel teria sido morto porque ordenou aos responsáveis por arrecadar propina que deixassem de desviar para os próprios bolsos parte da quantia cobrada de empresários que tinham negócios com a prefeitura. O valor desviado teria como destino o caixa dois do PT.

Após a era petista no poder ser enterrada com o impeachment de Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula está tendo que lidar com alguns cadáveres insepultos. 
Aos poucos vão se confirmando as denúncias do publicitário Marcos Valério feitas em depoimento ao MP em 2012. 
Já há provas do empréstimo feito pelo pecuarista Bumlai no banco Schahin ­supostamente para comprar o silêncio ­sobre a morte de Celso Daniel, e registro da conta usada pelo PT para receber propina da Portugal Telecom no exterior.

Investigadores da Lava-Jato acreditam que, de um jeito ou de outro, todos esses esquemas estejam relacionados entre si e sob o comando de Lula!

É bom lembrarmos que a doutora Elizabete Sato, diretora do Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa em São Paulo, que foi escalada para investigar o assassinato, que demorou séculos para concluir que o caso foi um “crime comum” e sem motivação política, é tia de Marcelo Sato, genro do ex-presidente Lula, eventualmente casado com Lurian, filha do Lula.

Precisamos continuar apoiando e defendendo a Polícia Federal, o Ministério Público, a Operação Lava jato e o que mais restar de bom na Justiça Brasileira, nessa árdua e difícil luta contra esses bandidos quadrilheiros que tudo fizeram e fazem para se perpetuarem no Poder! 
Exigimos uma limpeza geral e irrestrita no comando de nossa Pátria Amada Brasil!


REAGE BRASIL!



2 comentários:

  1. Conhec,tivemos, início de contato, na semana anterior ao desaparecimento. Fiquei bastante sentido, principalmente pelo fato de as informações não serem esclarecidos.

    ResponderExcluir
  2. Conhec,tivemos, início de contato, na semana anterior ao desaparecimento. Fiquei bastante sentido, principalmente pelo fato de as informações não serem esclarecidos.

    ResponderExcluir